Pelo direito de ser, bem-viver e amar

Pelo direito de ser, bem-viver e amar

ago 28, 2020

O Dia Nacional da Visibilidade Lésbica é comemorado em 29 de agosto e se tornou, ao longo do tempo, um importante marco de enfrentamento às agressões e à invisibilidade sofrida por mulheres lésbicas no Brasil.

A data nasceu como referência ao primeiro Seminário Nacional de Lésbicas (Senale), realizado em 1996, para tratar da violação dos direitos humanos das mulheres lésbicas. O início do movimento no País, no entanto, começou muito antes, com o surgimento do Grupo Lésbico-Feminista (LF) no ano de 1979.

Já em 19 de agosto de 1983, data conhecida como o Stonewall brasileiro, lésbicas organizaram o movimento de ocupação do Ferro’s Bar, na cidade de São Paulo, em resposta à proibição da entrada de militantes do Grupo Ação Lésbico Feminista (GALF), determinada pelos donos do bar, que também proibiram a distribuição do jornal ChanacomChana. Assim, agosto tornou-se o mês para evidenciar a luta e a história lésbica no Brasil.

Mulheres que amam mulheres frequentemente são vítimas de agressões específicas, pois sua existência questiona as bases patriarcais e heteronormativas da nossa sociedade. Portanto, para que tenhamos uma Cidade mais Humana, é fundamental garantir o enfrentamento dessas violências, chamadas de lesbofobia quando são direcionadas a este grupo em particular.

Em nossa caminhada na Câmara Municipal, o vereador Marcelo Sgarbossa (PT) já apresentou um projeto de Lei que amplia os mecanismos de combate à violência contra a mulher. E nosso horizonte já mira a implantação de políticas mais específicas, que acolha a todas as mulheres.

Lésbicas existem (e resistem) em todos os espaços da sociedade: são nossas professoras, médicas, artistas, psicólogas, vizinhas e colegas de trabalho. E, assim, tem direito à uma vida com afeto e dignidade.

No dia de hoje, a visibilidade é delas, a luta é nossa, uma luta de todos os dias! Para dar mais espaço a estas mulheres, indicamos uma série de livros e filmes para quem quiser assistir e conhecer mais. Nossa força é coletiva!

LIVROS
O Útero é do Tamanho de Um Punho (Angélica Freitas) [2017] – Poesia
AMORA – Natália Borges Polesso [2015] – Contos
Mugido – Marília Flôr Kosby – Poesia
O Efeito Urano – Fernanda Young [2011] – Romance

FILMES
Carol – Netflix
Desejo Proibido – TelecinePlay
Flores Raras – YouTube
Imagine eu e você – YouTube
Tomates Verdes Fritos – YouTube