Projeto garante vagas para bicicletas na Área Azul

Projeto garante vagas para bicicletas na Área Azul

jan 19, 2016

Mais de 1.400 bikes poderão “estacionar” na Área Azul se for aprovado o projeto de Lei 265/2013, apresentado pelo vereador Marcelo Sgarbossa (PT) e pelo Coletivo Cidade mais Humana. Pronta para ser votada na Câmara Municipal de Porto Alegre, a proposta determina a destinação de, no mínimo, 5% do espaço reservado aos automóveis na Área Azul para a implantação de estacionamentos das bikes. Com isso, cerca de 235 (das 4.700) vagas de carros seriam destinadas às magrelas – em cada vaga de um automóvel cabem, pelo menos, seis bikes.

O projeto de Lei surgiu de uma sugestão encaminhada por Fábio David Batista. Segundo Sgarbossa, a falta de locais adequados para as bicicletas tem sido um obstáculo para fazer com que mais pessoas pedalem na Capital. Além disso, sem espaços apropriados, as bicicletas acabam sendo presas em árvores, postes e paradas de ônibus, o que pode dificultar a plena circulação de pedestres nos passeios públicos. “Para incentivar o uso deste meio de transporte saudável e não poluente, além de ciclovias e ciclofaixas, é preciso também que a cidade conte com mais bicicletários e paraciclos”, ressalta.

Conforme o projeto, a implantação e a manutenção dos bicicletários ou paraciclos na Área Azul será de responsabilidade da empresa contratada para administrar o serviço. O texto também estabelece que, no mínimo, 20% do valor arrecado com o estacionamento remunerado terá que ser aplicado em campanhas e ações de educação no trânsito, bem como na construção e na conservação desses estacionamentos para as bicicletas, que deverão ser acessíveis a todas as pessoas, ficando vedada a utilização com fins lucrativos. Em 2014, cerca de R$ 5,6 milhões foram arrecadados, o que garantiria R$ 1,12 milhão para estimular o uso das magrelas em Porto Alegre. Levando em conta os valores atuais, o montante pode se aproximar a R$ 1,6 milhão.

BASE DE FORTUNATI E MELO REJEITOU PROPOSTA

O projeto foi levado à votação no dia 2 de junho e acabou sendo REJEITADO: foram 15 votos NÃO e apenas 12 SIM (veja como votou cada vereador/a). Como a diferença foi de apenas três votos, o vereador Sgarbossa pediu renovação de votação. Votado no dia 13 de junho, o requerimento foi REJEITADO por 11 votos a oito. Mais uma prova de que quem pedala não é prioridade para a gestão Fortunati-Melo (PDT-PMDB).

 

Proposta do vereador Marcelo Sgarbossa (PT) quer criar mais de 1.400 vagas para as bikes