Compartilhando a alegria numa bicicleta ODKV

Compartilhando a alegria numa bicicleta ODKV

jun 11, 2013

O sentimento de liberdade que a bicicleta proporciona é algo, às vezes, difícil de explicar para quem ainda não aprendeu a pedalar. Mas e para quem nunca pedalou porque não consegue enxergar, o que dizer?

No domingo (9/6/2013), diversas pessoas com deficiência visual tiveram a oportunidade de experimentar, pela primeira vez, a sensação de pedalar nas bicicletas ODKV, na orla do Guaíba. O nome estranho faz uma analogia com o antigo carro DKV, mas a junção das letras (e de bikes, pois fica uma ao lado da outra, ligadas por barras de ferro) tem um significado sugestivo: “o de cá vê”, enquanto que o de lá não vê.

 

Bikes da ong Embrião circularam pela orla do Guaíba no domingo (9/6).

 

Criadas pela ong Embrião, de Alvorada, as bicicletas adaptadas foram trazidas para a Capital numa parceria com o Coletivo Cidade mais Humana, ligado ao mandato do vereador Marcelo Sgarbossa (PT). “Felizmente, participei desse evento maravilhoso. Sentir o vento batendo no rosto, em uma tarde linda de domingo, passar a lombada com a ODKV e passear com o meio de transporte que mais estava sendo utilizado no momento pelas pessoas, não tem preço”, ressaltou Eliane Santiago.

Estudante de Pedagogia no IPA, a universitária nunca enxergou devido a um problema congênito. Mas a falta de visão não impede que ela tenha uma vida ativa. A atleta de golbol da Associação Gaúcha de Futebol para Cegos (Agafuc) reclama, no entanto, da falta de iniciativas de inclusão. “Esse tipo de ação é muito legal, pois não temos muitas atividades de lazer. O chato é que quando tem, muitos cegos não participam por estarem acomodados”, comentou.

 

Eliane Santiago curtiu o vento no rosto pedalando pela avenida Beira Rio.

 

Assim como ela, muitos não estavam acomodados: André Trevisol era um deles. Cursando Educação Física no IPA, ele corre pelas quadras de futebol de salão defendendo a camiseta da Agafuc. Sobre a ODKV, André avaliou que a bicicleta é confortável para as duas pessoas. “Ficou muito boa de andar e a gente não precisa ter medo, porque não tem risco de cair.”

Mas a alegria estava estampada também no rosto de quem sempre enxergou. O vereador Marcelo, então, era só sorriso. “A gente que pedala todos os dias sabe bem o que é sentir essa liberdade que a bicicleta proporciona. Agora, dividir isso com outra pessoa, que não está acostumada, é sensacional.”

 

A alegria do grupo de pedalantes estava estampada no rosto de todos.

 

A repórter Renata Colombo, da Rádio Gaúcha, foi outra que participou da atividade. Com uma venda nos olhos, ela sentiu um pouco do que é pedalar sem ver o que está pela frente. “A gente se sente muito seguro na ODKV, e acredito que dá uma ideia de como é a sensação de estar pedalando pela cidade para quem não vê, mas que pode sentir”. Renata fez um registro em vídeo da atividade: veja aqui.

 

A repórter Renata Colombo pedalou na ODKV com uma venda nos olhos.

 

show
 
close