Chuva de Ideias: segunda reunião

Chuva de Ideias: segunda reunião

dez 19, 2012

A “Chuva de Ideias” da primeira reunião apontou-nos um norte claro de demandas sociais prioritárias de nossa cidade, focadas e entrelaçadas entre si, nos seguintes eixos temáticos: cicloativismo, direitos humanos, espaços públicos, meio ambiente, mobilidade urbana, cultura. Esse conjunto de demandas define uma direção para os nossos primeiros passos no parlamento municipal.

Agora, é preciso ir além enfrentando o desafio de traduzir este acúmulo ideias/demandas em ações estruturadas. Assim, nossa tarefa não é apenas produzir um simples planejamento, mas também definir/organizar sistematicamente nossas ações, tendo em vista sempre: em que consiste cada ação, porque é necessária, onde será executada, para que público está dirigida, quem participará na organização e execução, como será executada e em quanto tempo será realizada.

Não podemos esquecer que faz parte da nossa metodologia a transversalidade e a interação entre os diferentes grupos temáticos de produção de estratégias. Este método certamente nos conferirá condições de explorar ao máximo as potencialidades de cada ação.

Nesse sentido, levando sempre em conta a transversalidades, é importante, por exemplo, definir posições a serem defendidas em grandes temas urbanos; sugerir projetos de leis que apontem soluções as preocupações levantadas; propor a organização de debates; projetar atos públicos, campanhas de divulgação de posições, abaixo-assinados.

Para que tudo aconteça e funcione à contento, é necessário o engajamento efetivo de cada uma e de cada um, pois não é com apenas um Gabinete parlamentar que conseguiremos concretizar nossas propostas/demandas.

Outro elemento indispensável é a relação permanente com os movimentos sociais. Afinal, somente a relação permanente com os atores sociais interessados no debate de cada tema será capaz de fornecer elementos para a estruturação de ações capazes de envolver de fato os mais ativos/as lutadores/as.

Sem nos esquecer, ainda, de ouvir os centros produtores de conhecimento, como as universidades, os técnicos de renomado conceito em cada área, estudantes e instituições de pesquisas e estudos. Além do conhecimento, formulado a partir da luta cotidiana dos ativistas do movimento social, é preciso também ouvir aqueles que constroem o saber.

Com toda essa nossa práxis, que inspira e guia o exercício ativo e permanente de nossa cidadania, vamos construir um mandato participativo, propositivo, sintonizado com as demandas sociais da cidade, que não perca de vista o balizamento do saber, nem descarte o sonho de cada uma e cada um.

Participe!

24/nov – sábado, às 14h
Afocefe Sindicato – Rua dos Andradas, 1234, 21º andar